Termos básicos que você precisa saber para começar a investir

1 de agosto de 2018 Ana KamilaAna Kamila

A falta da educação financeira compromete a capacidade de planejar o futuro. Essa é a nossa realidade aqui no Brasil, onde conceitos financeiros básicos como inflação e juros não fazem parte da grade de ensino.

Acumular os recursos depende da sua disciplina e investi-los não é tarefa difícil. Mas, como eu sei que estou fazendo o melhor negócio? O primeiro passo para começar a investir é entender alguns conceitos básicos.

Vamos lá!

SELIC é a taxa básica de juros da economia a qual o BACEN (Banco Central do Brasil) define baseando-se nos níveis de inflação, desemprego, crescimento do País e outros fatores.

A SELIC atual está em 6,50% a.a. e, de forma simples, significa o custo do dinheiro. Ou seja, quanto maior for a SELIC, maiores serão os custos de financiamentos e maiores serão as taxas de rentabilidade de alguns investimentos financeiros. Quanto menor a SELIC, menores os custos e menor a rentabilidade.

O CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é a taxa de juros que os bancos cobram para emprestar dinheiro entre si. Esse indicador é baseado na taxa SELIC e por isso, tem um número muito próximo: CDI atual 6,39% a.a.

Este é o indexador mais comum nos investimentos em renda fixa. Portanto, se um investimento rende 100% do CDI, o ganho é de 6,39% a.a., até a próxima manutenção da SELIC.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mede a variação dos preços dos produtos e, quando aumentado de forma excessiva, resulta na diminuição do poder de compra. Um investidor informado não deixa de acompanhar este indicador. O IPCA acumulado nos últimos 12 meses (Maio/2017 – Maio/2018) está em 2,86%.

Se o seu dinheiro está na poupança, a sua remuneração é de 70% da SELIC – regra atual. Quando investimos no mercado financeiro, uma referência é necessária para mensurar a rentabilidade dos investimentos. Aí entra o conceito de Benchmark: é uma medida de referência de acordo com a classe de investimento.

Em uma renda fixa ou fundo de investimento DI, por exemplo, o benchmark é o CDI. Em fundo de ações, o benchmark mais comum é o Ibovespa, que é o principal índice de ações da Bolsa Brasileira. Um investimento eficaz é capaz de superar o seu índice de referência.

Se você está começando a investir, o acúmulo dos recursos não é a fase para inventar moda. Dê início com a renda fixa, buscando investimentos que remunerem no mínimo 100% do CDI. Ah! Os investimentos em renda fixa podem ser pós fixados ou pré-fixados:

  • Em títulos pós-fixados, os indicadores mais comuns são: CDI (Certificado de Depósito Bancário) e o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo);
  • Os títulos pré-fixados não acompanham os indicadores e são taxas contratadas, logo, o investidor já sabe qual será o seu ganho naquele determinado período.

Dica: em um momento de expectativa de queda da SELIC, pré-fixar uma taxa é um plano eficiente para diversificação do portfólio.

Os títulos de renda fixa emitidos pelos bancos, como CDB, LCI e LCA podem ser os primeiros passos para construir uma carteira de investimentos. É uma sopa de letras, sim, mas o conceito principal é a forma que o banco utiliza para captar recursos, e aí, remunerar o investidor com juros pelo dinheiro investido.

E qual a minha segurança?

Outro termo básico é o FGC (fundo garantidor de crédito), uma espécie de seguro, que garante ao investidor o ressarcimento em caso de falência da instituição onde o dinheiro foi aplicado, de até R$ 250.000,00 por CPF e por instituição.

Ou seja, se você aplicar em 4 bancos diferentes, você tem a garantia de R$ 250.000,00 por banco, num total de R$ 1.000.000,00, desde que esses bancos não pertençam ao mesmo conglomerado financeiro. Alguns investimentos em renda fixa contam com essa proteção: CDB, LCI, LCA, LC e a Poupança.

Bom, agora você já sabe qual a base de remuneração dos investimentos (Taxa SELIC/CDI), o termômetro dos preços (IPCA), os tipos de rendimento na renda fixa (pós e pré-fixados) e de que forma monitorar (benchmark), além da segurança envolvida em algumas opções de investimento em renda fixa (FGC).

Não tem segredo, é simples: Acumular, rentabilizar e preservar. Comece hoje!


Veja Também