Semana em 1 Minuto #26: SPX prevê dólar acima de R$5,00; Pesquisa da XP sobre cenários eleitorais; Plano B de Lula; Pedro Parente; e mais.

8 de junho de 2018 PatrimonoPatrimono

Se você preferir, pode ouvir este resumo em áudio aqui:

 

Além disso, você pode ouvir a Semana em 1 Minuto no seu leitor de podcast favorito. Basta procurar por “Patrimono TV” e assinar!

SPX prevê dólar acima de R$5,00; Pesquisa da XP sobre cenários eleitorais; Plano B de Lula; Pedro Parente como possível CEO da BRF; e mais. Confira abaixo essas e outras notícias da semana:

Mercados e aversão a risco –
O Brazil Journal circulou comentários de uma apresentação feita por um dos fundadores da gestora SPX Capital, Rogerio Xavier, citando um potencial cenário de cambio próximo de R$5,00 caso o Brasil fracasse em aprovar reformas estruturais. De acordo com o artigo, a SPX projeta 0,8% de crescimento do PIB para 2018, abaixo dos ~1.5-2% do mercado hoje, enquanto que ressalta que o cenário eleitoral está totalmente indefinido, e que a chance de cair num extremo é grande. O BRL fechou ontem a 3,85, novo recorde do governo Temer, enquanto que a curva de juros (Jan25) chegou a quase 12%, abrindo 2,5% desde o começo de Maio.

Como mencionado anteriormente, o ambiente de incerteza deve continuar elevado. A visão de bolsa da XP é estruturalmente benigna para os próximos anos, passando por um cenário eleitoral de centro-direita, mas no curto prazo, mantem uma visão mais cautelosa, e sugerem um posicionamento mais defensivo.

É esperada uma potencial melhora do sentimento por volta de Agosto / Setembro, a medida que teremos mais clareza em relação ao ritmo do crescimento do país passado os efeitos da greve, ao mesmo tempo que as alianças no campo político devem começar a ficar mais claras.

 

Pesquisa da XP sobre possíveis cenários eleitorais –
Em pesquisa da XP realizada nesta semana com 204 investidores institucionais busca entender quais cenários para bolsa, juros e dólar, seriam os mais prováveis em caso de vitória de determinados candidatos.

Seguem os principais destaques:

 

  • 48% dos respondentes acreditam que Jair Bolsonaro será o vencedor da eleição presidencial;
  • 58% dos que participaram da sondagem em abril, agora mudaram sua escolha;
  • O cenário de segundo turno mais apontado é entre Bolsonaro e Ciro Gomes (44%);
  • 31% acreditam em uma queda no Ibovespa em vitória de Bolsonaro, mas 45% enxergam uma depreciação do câmbio e 44% colocam uma Selic acima de 8% no final de 2019 ;
  • Uma vitória de Alckmin deve provocar uma melhora do Ibovespa para 97% dos respondentes e um câmbio abaixo de R$3,40 para 73%;
  • Cenários de Fernando Haddad e Ciro Gomes foram apontados como desfechos negativos para o Ibovespa, Álvaro Dias foi apontado como um desfecho positivo e Marina Silva como estabilidade.

 

PT e o Plano B de Lula –
O Estadão aponta que após indicação do STF que pode acabar com a prerrogativa de foro para congressistas, diminuiu a resistência do PT a um “plano B” caso o ex-presidente Lula seja impedido de disputar a eleição. A matéria aponta que Gleisi Hoffmann e Jaques Wagner, dois nomes com investigações em aberto, poderiam ter interesse na vaga. Já Fernando Haddad teria perdido forças por não se acreditar que assinaria um indulto ao Lula. O partido apresentou 20% da preferência do eleitorado na última pesquisa Datafolha, fazendo com que a decisão do PT de apoio a qualquer candidato seja importante.

 

Steinbruch se afasta da FIESP e abre caminho para ser vice de Ciro Gomes –
Benjamin Steinbruch, presidente da CSN, se afastou ontem do cargo de vice da FIESP, abrindo caminho para ser vice de Ciro. Segundo a Folha, o pedetista já disse que o empresário, filiado ao PP, “responde perfeitamente” ao perfil que busca para ingressar na disputa. O Valor cita Alckmin comentando ontem que espera uma mudança no cenário eleitoral somente com o começo das campanhas oficiais – lembrando que as coligações que definem os candidatos oficiais acontecem somente entre o dia 20 de Julho e 5 de Agosto.

Por último, Bolsonaro tem evitado debates e sabatinas com outros presidenciáveis, e foca em aparições com apoiadores e encontros reservados com empresários. Bolsonaro e Skaf iniciaram conversas para uma eventual aliança em São Paulo.

 

Ilan busca acalmar mercados –
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou ontem em discurso que não vê problemas em usar seguro swap para prover liquidez ao mercado, “inclusive passando da máxima histórica do país”. A instituição deve oferecer US$ 20 bi em swaps até fim da próxima semana. Também foi citado que se necessário serão realizados leilões de linhas e eventualmente utilizariam as reservas. Por fim, Ilan descartou reuniões extraordinárias do Copom, garantindo que a política monetária olha projeção de inflação e balanço de risco, e não a política cambial.

 

Distrato passa na Câmara –
Após um acordo para correr com a equipe econômica, a Câmara aprovou o projeto que dita as normas para o comprador de imóvel na planta desistir do negócio. O tema agora segue para aprovação no Senado. Segundo o texto acordado, a pessoa que desistir do imóvel pode se livrar das multas se encontrar um interessado em fechar negócio, mas o novo comprador tem de ter o cadastro aprovado pela construtora.

A falta de definição de regras claras quanto aos distratos deixa para o juiz a decisão no caso concreto, o que torna difícil para as construtoras estimarem quanto vão ter que devolver, pois o valor pode variar muito conforme decisão judicial. Fixar uma regra quanto aos distratos permite que as construtoras coloquem no preço a estimativa de cancelamentos. O projeto de distrato é uma boa notícia para o setor de construção civil em um ambiente turbulento recente.

 

Parente pode ser definido como CEO da BRF –
Segundo Valor Econômico, a renúncia à presidência da Petrobras, anunciada na sexta-feira passada, abriu caminho para que Pedro Parente assuma o cargo de CEO da BRF. Na sexta-feira passada, as ações da BRF fecharam com alta de 9,2%, deixando claro a expectativa do mercado em relação ao anúncio. Mesmo antes de sua renúncia na Petrobras, já acreditavam que Parente assumiria o cargo na BRF, dado que o cargo de CEO continua vago desde a renúncia de José Aurélio Drummond. O diretor financeiro Lourival Luz, está como presidente interino desde então.

 

Estas foram as principais notícias desta semana.

Ótimo final de semana e até a próxima sexta!

Veja Também