Semana em 1 Minuto Fechar

Semana em 1 Minuto #103: Paulo Guedes em Davos; Capital estrangeiro no Brasil; Brexit; China, e mais!

24 de janeiro de 2020 PatrimonoPatrimono

Se você preferir, pode ouvir este resumo em áudio aqui:

Além disso, você pode ouvir o Semana em 1 Minuto no seu leitor de podcast favorito!

Paulo Guedes em Davos; Capital estrangeiro no Brasil; Brexit; China, e mais. Confira abaixo essas e outras notícias da semana:

FMI eleva projeção do PIB do Brasil – O fundo elevou a perspectiva de crescimento para o Brasil em 2020, enquanto reduziu a expectativa do crescimento global, em comparação com último relatório. Segundo foi noticiado, o FMI prevê um crescimento para o Brasil em 2020 de 2,2%, o que representa 0,2 ponto percentual a mais do que o relatório de outubro.

A revisão da estimativa se deve à aprovação da reforma da previdência e à redução dos problemas de oferta no setor de mineração. Já para as projeções globais, a proposta é de que nesse ano seja alcançado 3,3% de crescimento, ou seja, 0,1% a menos do que o proposto no último relatório.

Projeto de autonomia do BC pode ser aprovado até março – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou nesta semana durante uma reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que o projeto de autonomia do Banco Central e o projeto de lei cambial que permitirá aos brasileiros ter contas em dólar estão na lista de prioridades da Câmara dos Deputados e podem ser aprovados até março.

Maia não quis se comprometer com o cronograma exato de votação, mas afirmou que os projetos já estão prontos para serem votados. Maia pontuou que o projeto busca a autonomia administrativa e operacional do BC e ressaltou também que a comissão mista da reforma tributária deve ser instalada na primeira semana de fevereiro.

BNDES pagará valor recorde a União – O BNDES deve reforçar o caixa da União com cerca de R$15 bilhões de receitas de dividendos – um valor recorde. O pagamento é referente ao que os acionistas de uma empresa recebem pelo lucro gerado.

A regra aprovada pelo conselho de administração determina o repasse de 60% do lucro. Até novembro de 2019, o banco estatal depositou R$9,5 bilhões nos cofres da União. A medida será importante para acomodar novas despesas, como o aumento do salário mínimo a partir de fevereiro.

Investimento estrangeiro no Brasil cresceu 26% – Em 2019, o crescimento de investimento estrangeiro direto no Brasil cresceu 26%, segundo dados da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Os recursos externos externos destinados ao capital produtivo no país, para finalidades como a construção de fábricas, infraestrutura e fusões e aquisições, passaram de US$60 bilhões, em 2018, para US$75 bilhões no ano passado. A onda de privatizações ocorridas a partir do meio do ano foi um dos principais fatores para essa expansão.

Licitações públicas – O ministro da economia, Paulo Guedes, confirmou que o Brasil abrirá seu mercado às empresas estrangeiras em licitações públicas. Além disso, o ministro ainda afirmou que solicitará formalmente a sua adesão ao Acordo de Compras Governamentais.

O acordo dá tratamento igualitário a empresas nacionais e estrangeiras em aquisições do setor público. Por fim o ministro ainda disse que tornando-se voluntariamente um signatário do acordo, o país busca incorporar melhores práticas e fazer um “ataque frontal” à corrupção.


Brexit – A proposta que prevê o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia se tornou oficialmente lei com a aprovação da Rainha. Depois de mais de três anos de discussões, a proposta foi aceita nesta quarta-feira (22) pelo Parlamento e precisava apenas do aval real.

No próximo dia 29 ocorrerá uma votação e consentimento da proposta pelo Parlamento do bloco, e, com isso, o Reino Unido deverá deixar a União Europeia dois dias depois, 31 de janeiro.

China – O crescimento do PIB chinês foi o mais baixo em 29 anos, 6,1% em 2019. O resultado destaca os desafios domésticos do país apesar de trégua comercial com os Estados Unidos.

Por outro lado, a taxa de natalidade caiu para um recorde negativo de 1,05% em 2019. Com isso, existe uma possível ameaça à disponibilidade de trabalhadores jovens capazes de impulsionar a economia do país.

Estas foram as principais notícias desta semana.
Ótimo final de semana e até a próxima sexta!





Veja Também