Semana em 1 Minuto Fechar

Semana em 1 Minuto #102: Projeção da Selic, Prévia do PIB, Argentina, China, e mais!

17 de janeiro de 2020 PatrimonoPatrimono

Se você preferir, pode ouvir este resumo em áudio aqui:

Além disso, você pode ouvir o Semana em 1 Minuto no seu leitor de podcast favorito!

Projeção da Selic, Prévia do PIB, Argentina, China, e mais. Confira abaixo essas e outras notícias da semana:

Mercado reduz projeção de Selic para 2021 –
O mercado reduziu marginalmente sua projeção de inflação para 2020 de 3,60% para 3,58%. Para 2021, a projeção permaneceu estável em 3,75%. A projeção de PIB para 2020 e para 2021 permaneceu estável em, respectivamente, 2,30% e 2,50%.

A projeção da taxa de câmbio passou de 4,09 para 4,04 para 2020 e permaneceu estável em 4,00 para 2021. Enquanto isso, a projeção da taxa Selic permaneceu estável em 4,50% para 2020, mas foi reduzida de 6,50% para 6,25% em 2021.

BC planeja ensinar finanças em escolas públicas –
O Banco Central iniciará em 2020 um programa piloto para capacitar professores a ensinar educação financeira em sala de aula por meio das disciplinas de português, matemática, história e geografia.

O projeto, batizado de “Aprender Valor”, será destinado a estudantes do 1º ao 9º ano da rede pública de ensino. O plano é educar crianças e jovens a lidarem melhor com dinheiro, mostrando que pessoas de baixa renda conseguem poupar se tiverem disciplina e adquirirem o hábito.

A meta é que pelo menos 25 mil alunos de seis estados sejam impactados no piloto. Ao final de 2022, o BC quer educar 22 milhões de alunos.

Anos 2010 foram os piores para o PIB no Brasil –
De acordo com estudo do economista Roberto Macedo, da Universidade de São Paulo e ex-secretário presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, a economia brasileira registrou a menor taxa de crescimento desde 1900 na última década encerrada em 2019.

Entre os anos de 2010 e 2019, o PIB cresceu a um ritmo de 1,39% ao ano. O desempenho da economia brasileira nos anos 2010 está, portanto, bem abaixo do crescimento médio do PIB de 155 economias emergentes e em desenvolvimento analisadas pelo estudo – elas avançaram 5,11% por ano no mesmo período.

Prévia do PIB sobe 0,18% em novembro –
Considerado uma “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou expansão de 0,18% entre outubro e novembro. Foi a quarta alta consecutiva do índice na comparação mensal, acima da expectativa de avanço de 0,10% divulgada em pesquisa da Reuters.

O número surpreendeu analistas, já que o crescimento da economia em novembro, medido pelo desempenho da indústria, dos serviços e do varejo, estava abaixo do esperado. O IBGE divulgará o PIB fechado de 2019 no dia 4 de março.

Inflação na Argentina –
A inflação na argentina bateu o valor de 53,8% em 2019, a mais alta desde 1991. Segundo noticiado também, os preços ao consumidor subiram 3,7% em dezembro enquanto expectativas dos economistas previam aumento de 4,1, conforme pesquisa do Banco Central.

Na mesma sondagem realizada, a previsão é de que a inflação de 2020 seja de 42,2%. O país, que detém a terceira maior economia da américa latina, está em crise desde 2018 e tem o crescimento econômico como a prioridade do governo.

EUA querem Brasil como prioridade na OCDE –
Em carta da embaixada americana, o governo dos Estados Unidos informou que decidiu pedir que o Brasil seja priorizado na fila de países que tentam entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

A iniciativa acontece depois de um ano em que o governo Bolsonaro mostrou alinhamento com os americanos, e após o apoio do Itamaraty a ação americana no Iraque, que gerou a mais recente crise entre EUA e Irã.

Fase 1 do acordo preliminar entre EUA e China

A tão esperada assinatura da Fase 1 do acordo preliminar entre EUA-China ocorreu nesta semana. Positivo para Trump: O acordo inclui significativo aumento na compra de produtos e serviços americanos (US$200 bilhões) por parte da China, fortes restrições sobre a desvalorização da moeda chinesa e regras de proteção de propriedade intelectual.

As tarifas sobre US$370 bilhões (importações do 3º tri) sobre produtos chineses serão mantidas, pelo menos até a Fase 2 do acordo que potencialmente ficará para depois das eleições em novembro. Mesmo não estando no texto do acordo, os EUA se comprometeram a não aplicar uma nova rodada de tarifas e reduzir algumas existentes.

Portanto, é esperado que novos desdobramentos da Fase 2 sejam discutidos no segundo semestre, enquanto os EUA ganharam força para voltar a atenção para as negociações multilaterais mais complexas com a UE e discutirão temas como o imposto francês sobre o setor de tecnologia.

Economia Chinesa –
O PIB da China apresentou expansão de 6,1% em 2019, registrando seu menor avanço em 29 anos. No 4T19, o PIB do país apresentou expansão de 6,0% em relação ao 4T18 e manteve-se inalterado em relação ao 3T19 e em linha com as expectativas; A produção industrial chinesa, por outro lado, apresentou expansão de 6,9% na comparação anual de dezembro, surpreendendo positivamente a expectativa de mercado, de +5,9%.

As vendas no varejo apresentaram expansão de 8,0% a/a em dezembro e também surpreenderam as expectativas, de 7,8%.

Google –
A Alphabet Inc., holding que detém o Google, atingiu pela primeira vez o valor de mercado de US$1 trilhão. As ações da empresa fecharam em alta de 0,87% o que foi suficiente para a empresa ter valor de mercado de US$1,001 trilhão.

Hoje, as únicas empresas de capital aberto em patamar trilionário são as americanas Apple e Microsoft, de tecnologia, e a petroleira saudita Saudi Aramco. A Amazon já chegou na casa do trilhão em 2018, mas hoje está cotada a US$928 bilhões.

Estas foram as principais notícias desta semana.
Ótimo final de semana e até a próxima sexta!


Veja Também