Semana em 1 Minuto Fechar

O que acontece com o mercado financeiro em ano de eleição

10 de outubro de 2018 Ana KamilaAna Kamila

Política e economia andam de mãos dadas, fato que está causando muita instabilidade para o cenário de investimentos em 2018. O mercado fica instável pelo temor de um novo plano político, aguardando as diretrizes do novo comandante.

Os empresários não têm intenção de expandir a empresa ou investir em novos negócios até o resultado da eleição. O consumidor também fica inseguro, reduzindo o consumo e desacelerando a economia.

O desenvolvimento do país fica estagnado em ano eleitoral e a cada pesquisa de intenção de votos que é divulgada, o mercado interpreta e torna-se totalmente manipulável. Entram na lista como principais afetados o dólar e a bolsa de valores. Até o desfecho desta corrida podemos denominar como especulativo todo o cenário.

O cenário mais otimista para a economia é o que envolve candidatos que são a favor das reformas trabalhistas e em especial a reforma da previdência, pois estas propostas são fundamentais para acalmar as contas públicas e aquecer a economia.

Se esse cenário se concretizar, a confiança aumenta e os investidores estrangeiros são atraídos para o Brasil, apostando no desempenho da nossa economia.

O cenário pessimista é o adverso, no qual o presidente eleito tem uma visão menos comprometida às reformas e adota um discurso populista, criando maneiras “fáceis” de resolver a crise. Aí retornam as incertezas, nas quais a confiança no país recua e logo impulsiona a bolsa de valores para baixo.

A realidade no Brasil é que parte dos eleitores só procura conhecer o seu candidato em poucos dias que antecedem as eleições. Até aí tudo bem, ao menos há um certo interesse. Mas a grande maioria não sabe em quem votar e, naquele domingo decisivo, torna o voto nulo ou “Maria vai com as outras”. Aí de nada adianta protestar o resultado em 2019.

E como já citou Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, “A economia teria de estar bombando para as pessoas esquecerem os casos de corrupção”. Não podemos tentar tapar o sol com uma peneira.

Avalie os erros e acertos do passado e vote consciente porque a sua escolha pode definir o rumo dos próximos 4 anos do Brasil.

Veja Também