Você sempre pode investir melhor

Semana em 1 Minuto #9: Pré-candidatura de Lula, união de partidos por Huck, cessão na Previdência e mais

2 de fevereiro de 2018 |

Se você preferir, pode ouvir este resumo em áudio aqui:

Tivemos uma semana positiva para o mercado após a condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4. Na política, incertezas com a Reforma da Previdência e com os possíveis candidatos à presidência. Confira abaixo essas e outras notícias da semana:

PT deve lançar pré-candidatura de Lula

O PT anunciou que a pré-candidatura à presidência da República do ex-presidente Lula deve ser lançada em todos os Estados, conforme nota do partido divulgada sábado.

“A partir da semana que vem devemos ter atos de lançamento, independente da presença de Lula, em cada canto do Brasil!” “A candidatura de Lula ou de qualquer outra pessoa resolve-se na Justiça Eleitoral, a partir do registro no dia 15 de agosto. Lula é nosso candidato!”, reafirmou o partido.

PPS e Agora! se unem para eleger base de apoio a Huck

Segundo o Estadão, a candidatura do apresentador Luciano Huck ao Planalto depende exclusivamente dele.

Dirigentes do PPS dizem que o cenário ideal está colocado, com o ex-presidente Lula a um passo de ficar fora da disputa, o prefeito de São Paulo, João Doria indicando que não vai concorrer ao Planalto, e o governador Geraldo Alckmin não subindo nas pesquisas.

O PPS se movimenta para construir uma base de apoio para Huck no Congresso, assim buscam integrantes do Agora! e do Livres entrando no PPS para brigar por vagas na Câmara e Senado.

Planalto admite ceder na Previdência

Após ofensiva do presidente Michel Temer em programas de TV, o planalto admite que novas mudanças podem ser necessárias segundo o Correio Braziliense. O foco mais provável é o acúmulo entre pensão por morte e aposentadoria, limitado a dois salários mínimos pelo texto atual.

O placar continua com 275 votos favoráveis, 33 a menos que o necessário para a aprovação, além de 60 indecisos. O relator cedeu às pressões e acabou permitindo juntar os dois, desde que o valor total não ultrapasse dois salários mínimos, o equivalente hoje a R$ 1.908.

A mudança não foi suficiente para acabar com as reclamações. O limite é considerado baixo tanto por especialistas quanto por deputados.

Corte no Orçamento pode ser adiado

Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a possibilidade de não haver corte no Orçamento no início deste ano está sendo discutida. Meirelles disse ao Broadcast que é “possível que não haja” contingenciamento.

Ele também destacou que a arrecadação está maior do que esperado, assim como a previsão de crescimento do PIB.

Desemprego recua mais que o esperado

Segundo o IBGE, a PNAD Contínua no trimestre encerrado em dezembro recuou para 11,8%, queda de 0,6% ante o trimestre anterior, e um resultado abaixo dos 11,9% previstos pelo mercado.

A população desocupada (12,3 milhões) caiu 5% (menos 650 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior (13 milhões de pessoas). A população ocupada (92,1 milhões) cresceu 0,9% em relação ao trimestre anterior (mais 811 mil pessoas).

Disputa por vaga no segundo turno se acirra segundo Datafolha

O Datafolha divulgou pesquisa realizada com 2.826 entrevistas em 174 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos. Levantamento mostra que o ex-presidente Lula manteve vantagem sobre os rivais, com até 37% das intenções de voto.

Seu eleitorado, porém, se pulveriza e a briga tende a se tornar acirrada caso ele seja barrado com base na Lei da Ficha Limpa. Bolsonaro aparece em primeiro lugar no principal cenário sem Lula, com 18%. Marina lidera o segundo pelotão, com 13%. Ciro (10%), Alckmin (8%) e Huck (8%) estão tecnicamente empatados.

Apesar de liderar a corrida sem Lula, Bolsonaro parou de crescer, oscilando negativamente em todos os quadros apresentados na pesquisa. Na primeira simulação de segundo turno entre ele e Alckmin, o governador de São Paulo aparece com 35% ante 33% de Bolsonaro.

No cenário sem Lula, um dos possíveis candidatos do PT, o ex-governador baiano Jaques Wagner, aparece apenas com 2%. O percentual de eleitores que não votariam em um nome apoiado pelo petista subiu de 48%, em novembro, para 53%.

Ibovespa toca nova máxima histórica

Com menor influência de Lula na eleição e impulso do exterior, o Ibovespa voltou a subir nesta semana e chegou a tocar a máxima histórica de 86mil pontos no meio do pregão, apoiado pela leitura que os investidores fizeram da pesquisa divulgada pelo Datafolha, revela matéria do TC Journal.

Ótimo final de semana e até a próxima sexta!

Veja Também