Você sempre pode investir melhor

Semana em 1 Minuto #8: Lula condenado, recorde da bolsa, aumento do rombo da previdência e mais

26 de janeiro de 2018 |

Se você preferir, pode ouvir este resumo em áudio aqui:

Esta semana foi rodeada de expectativas por conta do julgamento do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, condenado por unanimidade em julgamento pelo TRF-4. Após o terceiro voto, a bolsa subiu ainda mais, rompendo mais uma máxima histórica.

Confira abaixo essas e outras notícias da semana:

Em decisão unânime, tribunal condena Lula em segunda instância

Recurso contra condenação pelo juiz Sérgio Moro foi rejeitado pelos três desembargadores da 8ª Turma do TRF-4, que ainda aumentaram a pena do ex-presidente de 9 para 12 anos e 1 mês.

Como a decisão foi unânime, o único recurso disponível para a defesa no TRF-4 são os chamados embargos de declaração, que não tem poder de reverter a condenação, somente esclarecer ambiguidades, pontos obscuros, contradições ou omissões no acórdão (documento que oficializa a decisão).

A defesa, no entanto, ainda poderá tentar inocentar Lula no STJ ou STF, mas após o julgamento dos embargos no TRF-4, poderá ser expedida ordem de execução da sentença. Esgotadas as possibilidades de recurso no tribunal, Lula poderá ser preso, destaca matéria do G1 – Globo.

Temer planeja criar Ministério da Segurança Pública

Segundo a Folha, o presidente Michel Temer planeja criar o Ministério da Segurança Pública, retirando as atribuições da área do Ministério da Justiça. A decisão seria tomada em abril, quando já está prevista uma reforma ministerial, com aqueles Ministros que serão candidatos na Eleição 2018.

Candidatura de Collor pretende garantir sobrevivência do PTC

A candidatura do ex-presidente e atual senador Fernando Collor à Presidência tem o objetivo de garantir a sobrevivência de seu partido, o PTC. A candidatura visa as novas regras aprovadas pelo Congresso para que as legendas tenham acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV.

Pela chamada “cláusula de barreira”, aprovada em outubro passado, as legendas deverão atingir pelo menos 1,5% dos votos válidos para a Câmara em 2018 em pelo menos nove Estados ou ter eleito, no mínimo, 13 deputados em nove Estados.

Rombo da Previdência sobe para R$268,8 bilhões em 2017

Matéria do G1 indica novo recorde para o rombo da Previdência, que subiu para R$268,8 bilhões em 2017. Valor inclui déficit do INSS, que atende trabalhadores do setor privado, e do RPPS, que atende os servidores da União.

Alta apenas do rombo do INSS foi de 21,8% em relação a 2016. O valor do rombo, no ano passado, foi o maior da série histórica.

Dívida pública deve ficar perto de R$ 4 trilhões

Segundo dados do Tesouro, em 2017 a dívida pública federal avançou 14% e encerrou o ano em R$ 3,5 trilhões. Para 2018 a estimativa da instituição é que alcance um patamar entre R$ 3,7 trilhões e R$ 3,9 trilhões.

O aumento do endividamento público nos últimos anos é reflexo de sucessivos déficits primários – as despesas do governo federal superaram as receitas com impostos e contribuições.

O quinto resultado negativo seguido será entregue em 2018. Com isso, o Tesouro tem de emitir mais papéis para cobrir o rombo e para pagar os juros que crescem à medida que o estoque aumenta.

IPCA-15 melhor que o esperado

Segundo o IBGE, o IPCA-15 de janeiro avançou 0,39%, abaixo dos 0,43% previstos por investidores. Depois da variação de 0,31% de janeiro de 2017, esta é a menor taxa para um mês de janeiro desde 1994, quando foi criado o Plano Real.

No acumulado dos últimos doze meses, o índice registrou 3,02%, ficando acima dos 2,94% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Consumidores esperam inflação de 5,4% em 12 meses

Bandeira verde no radar. Segundo a FGV, os consumidores recuaram sua expectativa de inflação 12 meses de 5,8% para 5,4% em janeiro. Esse é o menor nível desde 2007.

Bolsa atinge novo recorde após julgamento de Lula

O mercado explodiu de euforia poucos minutos antes do fechamento do pregão do dia 24, depois de uma montanha-russa de emoções, com o voto do terceiro desembargador do TRF-4 mantendo a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A decisão proferida às 17h44 de quarta-feira, levou a bolsa à máxima histórica, arrastou os juros e derreteu o dólar, que tocou o menor patamar desde outubro. Hoje, sexta-feira, o Ibovespa marcava mais de 84mil pontos na parte da manhã.

Ótimo final de semana e até a próxima sexta!

Veja Também